O menino de rua

Um menino de rua, ingênuo e frágil como um barquinho de papel,

Destes cujo formato muito nos faz lembrar a imagem de um chapéu.

Sonhava conhecer o mundo, vagando livre como um pássaro no céu.

Mas tinha que se resignar à dura e fria rotina da sua existência cruel,

Que talhava cicatrizes sobre sua alma e corpo, cortante como cinzel.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s