Par perfeito

E eu que pensava que, por sermos casados há tantos anos, sabia tudo a seu respeito – para mim isso era praticamente insuspeito, Mas tudo bem, não vou tomar isso como um defeito seu para que continuemos a formar um par perfeito, Confesso-lhe que quando tomei conhecimento de que era amante do prefeito, em minha mente vi renascer um certo preconceito: difuso, liquefeito – mas disso já estou refeito, Não encarei de forma nenhuma isso como um desrespeito, embora até então pensasse – e não havia nada que de mim afastasse tal pensamento – que para você eu era o único eleito, Isso nunca chegou a ser um pleito e nem um preceito, era um discurso que tínhamos, cá entre nós, bem fluido, escorreito, Eu tinha do meu lado, pelo menos, que isso seria – se algum dia tivesse que ser – um acordo seu comigo a ser previamente feito, Não que eu quisesse exclusividade – nem acho que isso seria de direito, Compartilhá-la com um terceiro seria algo que eu tiraria de letra: lidaria com a mesma facilidade com que mato uma bola no peito, Mas está aí, e aqui repito sem nenhum desproveito, um assunto que eu queria, antes de consumado, poder negociar com você direito, Não queria me ver diante disso como algo já feito, sem nenhum recurso à vista para vê-lo desfeito, Desisto, pois, ao que parece, não tem mais jeito, você já tem tudo organizado e pensado do seu jeito, Resta-me a resignação de ter nós três dividindo um único – o mesmo – leito, Torço para que pelo menos ele seja um bom sujeito, e nisso faço questão que me interprete direito: ele é político, não é?, logo sobre ele sempre serei um tanto suspeito, Esse pessoal respira um ar abundante, mas putrefeito, diferente da gente que respiramos um ar honesto, ainda que bem mais rarefeito, Olha lá, não quero generalizar, sei que cada um temos um modo de ser, um jeito: uns são mais tortos; outros são mais direitos, Pelo que me lembre já falamos a esse respeito, Importante pra mim, a partir de agora, já que para isso inexiste modo de contrafeito, é que na cama ele seja capaz de dar conta de nós dois, que faça, enfim, a coisa direito, A propósito, quantos centímetros tem o coiso do sujeito? Se for mais do que estou pensando, vai subir no meu conceito, Tudo isso!? Hum, pra mim parece perfeito, e a julgar pelo seu sorriso mal disfarçado, de peito a peito, não sou o único aqui satisfeito, Só vamos combinar que, daqui pra frente, ambos vamos disso tirar proveito, Até então você usufruía tudo sozinha, Isso, sim, vou tomar como um despeito!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s